DEZESSEIS

2018

Esse trabalho, comissionado por uma bolsa fornecida pela Universidade de Amsterdam diz respeito a adolescencia e suas possíveis narrativas - tendo como ponto de partida dois territórios distintos: A cidade de São Paulo e a cidade de Belém.

Em uma tentativa de lidar com a passagem do tempo, faço perguntas que também não sei como responder: 'O que é amor?'' 'Qual é o maior mistério do mundo'' 'Pra onde a gente vai quando a gente morre?'' 'Como se resiste?''

No meio do caminho sou convidada para uma excursão da escola a um parque aquático. Vejo um golfinho rosa feito de resina flutuando em uma piscininha rasa. Os adolescentes carregam garrafas de 2 Litros de Coca-Cola e comem churrasco enquanto celebram o final do semestre. É verão em Belém.

Em São Paulo, um grupo de meninas se arruma para a festa de quinze anos de sua melhor amiga. A pista de dança se enche com pessoas que pulam e se abraçam, enquanto cantam o último hit da semana.

* Projeto realizado em colaboração com Pétala Lopes

SIXTEEN

2018

 

this body of work investigates adolescence and its possible speeches
In an attempt to deal with the passage of time and with the investigation of different subjectivities, I ask these people questions I do not know how to answer: “What is love?”, “What is the biggest mystery in the world?”, “Where do we go when we die?”, “How do you resist?”

Halfway there I’m invited in a class trip to a water park. There is a pink dolphin made of resin floating in a shallow pool, teenagers carry bottles of coca-cola and eat barbecue while celebrating the end of the semester. It’s summer in Belém.

In São Paulo, a group of girls is getting ready for their best friend’s 15th birthday party. The dance floor is filled with people who jump and hug, while they sing last week’s hit.

 

Funded by a fellowship by the University of Amsterdam, in collaboration with Pétala Lopes

  CAMILA 

  SVENSON